Categoria: Design

17th Biennale of Sydney

Pra quem não sabe, até o dia 1º de Agosto tá rolando na Austrália a 17ª Bienal de Sydney. O tema dessa edição é “Songs of Survival in a Precarious Age”, inspirado na compilação de gravações históricas “Anthology of American Folk Music” lançada  pelo cineasta experimental americano, antropólogo e musicólogo Harry Everett Smith em 1952. O álbum é considerado um marco para o renascimento da música folk norte-americana entre as décadas de 50 e 60.

Ok, mas o que isso tem a ver com a bienal? A questão é que Smith não participou apenas da produção do áudio da compilação de discos, mas também da produção dos encartes a serem utilizados na obra. E aí que está o ponto chave: a técnica de colagem fragmentada utilizada na produção prenunciou algumas obras pós modernas. Cada um dos três discos duplos recebeu a mesma arte na capa, uma gravura de Theodore de Bry de um instrumento denominado “Celestial Monocórdio”, tirada de uma obra mística do cientista e alquimista Robert Fludd. Cada capa recebeu uma cor diferente, de forma que cada uma delas se relacionava a um elemento alquímico diferente: água (verde), fogo (azul) e ar (vermelho).

A organização dos elementos visuais e sonoros nos padrões utilizados na obra de Smith, inédita até então, representou um marco na produção artística e influenciou o meio nos anos posteriores.

Agora voltando a Bienal, interessante foi a percepção que o pessoal da Barnbrook teve para criar a identidade visual da exposição. Misturando fontes, ilustrações e padrões através de justaposições com referências a história da impressão, criou-se uma linguagem contemporânea. A composição da técnica é formada basicamente por três tons de cor (preto, branco e vermelho) e por camadas que mesclam ilustrações com referência científica, formas geométricas e técnicas de impressão, conforme abaixo:

A identidade visual da Bienal já é uma obra de arte exposta por todos os 7 locais de exposição em Sydney, e lá você ainda encontra cerca de 440 trabalhos de 136 diferentes artistas de 36 países diferentes. Confira abaixo algumas amostras:

Cai Guo-Qiang - "Inopportune: Stage One", 2004

Tsang Kin-Wah - "The First Seal – It Would Be Better If You Have Never Been Born…", 2009

Lara Baladi - "Perfumes & Bazaar, The Garden of Allah", 2006

Roxy Paine - "Neuron", 2010

Bom né? E pra quem quiser mais informações sobre a 17th Biennale of Sydney, o site oficial do evento é: bos17.com.

Dica do Creative Review.

Anúncios

Casa Cor Paraná 2010

Tradicional evento de arquitetura e interiores, a Casa Cor abre a sua 17ª edição ao público com o tema “Morar Verde”, enfatizando a importância da questão da sustentabilidade na elaboração de ambientes. Serão 67 ambientes inseridos nesse contexto e, como em todas as edições, apresentando soluções criativas e inovadoras para os mais diversos espaços.

A Casa de Retiros Mossunguê foi estratégicamente escolhida para a exposição, visto que é uma das áreas mais verdes da capital, sendo assim bem coerente com o tema, certo?

Informações abaixo:

Período
21 de Maio a 29 de Junho

Special Sale
28 e 29 de Junho

Local
Casa de Retiros Mossunguê – Bairro Ecoville
Rua Francisco Juglair, 171 – Curitiba – PR

Horário
Terça a Sábado, das 13h00 às 21h00
Domingo e Feriados, das 11h00 às 19h00
Segundas: Casa fechada para Festas Especiais

Ingresso
Preço Individual R$ 26,00
Preço Promocional R$ 20,00 (Clientes Cartão Balaroto, Gazeta do Povo e TVA, mediante apresentação da carteira de assinante)
Meia Entrada R$ 13,00 (idosos, estudantes ensino regular crianças)

E pra quem quiser comprar a revista da exposição, o preço é R$ 15,00

Mais informações no site: www.casacor.com.br/parana

Imperdível!

Web Design Sketchbook

Esta ótima ferramenta para web designers está sendo disponibilizada para download gratuito em formato PDF no www.webdesign-sketchbook.com. Contém 30 páginas que apresentam questões relevantes na elaboração do projeto, espaço para anotações e grids para os esboços com a barra de endereços, simulando um navegador.

A quem interessar o download, só clicar aqui.

(Vi no Twitter do @adsoftheworld)

Já ouviu falar da Coca-Cola Freestyle?

A Freestyle foi criada para estimular as vendas dos produtos da marca, após uma leve queda no ano passado. Através de uma interface touch-screen o usuário seleciona uma combinação de bebidas e a máquina libera os ingredientes misturados na hora. Porém, devido às características de cada bebida, as combinações são pré-setadas pelo sistema da máquina, não sendo possível uma mistura de suco de limão com Coca-Cola, por exemplo. São 100 combinações possíveis num total de 104 sabores disponíveis.

O design dos equipamentos foi feito sob encomenda pelos projetistas dos carros da Ferrari, dando um aspecto mais moderno ao produto. Outro aspecto interessante é que a máquina é conectada a internet, dessa forma a Coca-Cola recebe informações referentes a quantidade de ingredientes disponíveis, preferências dos consumidores e horários de utilização do serviço.

Confira melhor como funciona no vídeo abaixo:

Existem atualmente 69 equipamentos em fase de testes nos Estados Unidos. Quem sabe daqui um tempo a novidade apareça por aqui, seria ótimo. E você, o que achou?

Posters oficiais das Copas do Mundo FIFA

Observando o histórico, me parece que a qualidade dos posters diminuiu de uns tempos pra cá, com exceção da copa de 2010. Particularmente gostei muito desse da copa da Argentina de 78. E pra você, qual o melhor?

1930 - Uruguai

1934 - Itália

1938 - França

1950 - Brasil

1954 - Suiça1954 – Suiça

1958 - Suécia

1962 - Chile

1966 - Inglaterra

1970 - México

1974 - Alemanha

1978 - Argentina

1982 - Espanha

1986 - México

1990 - Itália

1994 - EUA

1998 - França

2002 - Coreia do Sul e Japão

2006 - Alemanha

2010 - África do Sul

PepsiCo Dream Machine

A PepsiCo anunciou, em parceria com a Waste Management, a criação da Dream Machine nos EUA. Trata-se de uma espécie de ponto de coleta com o objetivo de aumentar para cerca de 50% o índice de devolução das embalagens da PepsiCo nos EUA, que hoje gira em torno de 34%.

A estratégia da Dream Machine baseia-se num sistema de recompensas operado pela Greenopolis, no qual o usuário acumula pontos de acordo com o volume de embalagens devolvidas e recebe os prêmios ao acessar o site da empresa. Para isso, as máquinas serão equipadas com compartimentos computadorizados para o depósito dos produtos e identificação do usuário. Abaixo, 2 vídeos explicativos sobre o produto, confira:

Boa idéia, não? Quem sabe um dia as pessoas sejam estimuladas a devolver as embalagens pelo simples fato de se preocuparem com o destino e as consequências dos produtos consumidos. Enquanto isso não acontece, iniciativas como esta vão tentando dar conta da situação e conscientizar as pessoas.